Informações não-verbais estão chegando à comunicação digital

Informações não-verbais estão chegando à comunicação digital

Comunicação não-verbal

Pesquisadores europeus desenvolveram um conjunto de ferramentas de software para adicionar informações não-verbais a emails, ligações telefônicas, bate-papos e outros canais de comunicação eletrônica. Se o trabalho por si só é fascinante, suas aplicações reais podem ser ainda mais entusiasmadoras.

A comunicação digital não tem a riqueza de uma conversação face-a-face porque ela não conta com as dicas não-verbais e com a informação contextual que são tão importantes na comunicação humana direta.

Mas isto não será um problema por muito mais tempo. O projeto Pasiondesenvolveu um conjunto de ferramentas que permite nada menos do que transmitir por meios eletrônicos essas informações não-verbais.

Redes sociais ampliadas

Além das promessas tradicionais, como “novas formas de jogos online” e “novas tecnologias de redes sociais,” os pesquisadores afirmam que será possível aprimorar formas profissionais de comunicação e inaugurar outras como, por exemplo, a telepsiquiatria.

Uma das aplicações que mais chamam a atenção é a chamada “rede social ampliada” – uma referência à tecnologia de realidade ampliada. Os aplicativos fornecem novas ferramentas para que o usuário de uma rede social diga a seus amigos o que está fazendo e como está se sentindo, além de oferecer novas formas de se comunicar.

Ferramentas profissionais

Mas o objetivo do projeto Pasion não é meramente a diversão. “Muitos problemas no trabalho colaborativo derivam não da necessidade de comunicar e compartilhar informações de forma explícita, mas de problemas de alto nível na coordenação do processo de comunicação,” explica Richard Walker, coordenador do projeto.

Segundo Walker, as pesquisas do grupo indicaram que os mal-entendidos e a falta de entendimento das intenções de cada participante representam sérios problemas para os grupos.

Os pesquisadores desenvolveram um protótipo que roda em um telefone celular e oferece informações que os usuários podem usar para coordenar seu trabalho. O programa mostra informações como a disponibilidade do usuário e indicadores e visualizações que ilustram a posição social de um usuário no grupo.

O programa também fornece informações sobre o humor do usuário. Atualmente isso funciona com base num autorrelato – o usuário deve informar seu humor ao sistema – mas a próxima versão pretende fazer isso de forma automática com base nas expressões e na forma de interação do usuário. A versão atual já é capaz de dizer automaticamente o que o usuário está fazendo num determinado momento.

As ferramentas já foram testadas em várias ferramentas de comunicação, como nos programas de email Outlook e Thunderbird, além do iGoole e do Skype.

Telepsiquiatria e tele-educação

A telepsiquiatria, segundo os pesquisadores, pertence à classe das chamadas aplicações verticais. Usando um software específico para analisar as expressões faciais do usuário, juntamente com um link de voz, o médico poderá atender seus pacientes à distância mesmo em situações críticas, sem perder os elementos essenciais nesse tipo de consulta e de interação.

As informações não-verbais também poderão ser de grande utilidade para moderadores de grupos online e para professores atuando em tele-educação.

O que esperar

O alcance e a multiplicidade de aplicações listadas pelos pesquisadores são impressionantes. Mas, quando poderemos usá-las na prática?

“Há, é claro, partes que exigirão ainda algum trabalho, mas nós já desenvolvemos elementos para todos os sistemas que vislumbramos, e diferentes parceiros do projeto já os estão aprimorando em produtos reais,” afirma Walker.

Por exemplo, sensores capazes de indicar estados fisiológicos, como o ritmo cardíaco, são simples e baratos e bem aceitos pelos usuários. Isto permitirá que eles sejam usados rapidamente em jogos online e em redes sociais. Essas ferramentas deverão ser incorporadas em produtos a curto prazo.

Outras aplicações demandarão mais tempo ou serão reservadas para aplicativos especializados. O sistema de reconhecimento facial, por exemplo, é atualmente muito caro para o usuário final, mas plenamente factível para uma instituição lidando com atendimentos médicos ou com tele-educação.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s